quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

A língua de um país é sua cultura e sua arte


CARTA ABERTA

Meu nome é Tadica Veiga, sou filiada Associação Brasileira de Teatro de Bonecos - Centro Unima Brasil, e da Associação Paranaense de Teatro de Bonecos - Estado do Paraná - Brasil. E representante do Brasil na CAL - UNIMA.
Já fui secretaria da ABTB - Centro Unima Brasil, e trabalho com Teatro de Bonecos desde 1985, onde iniciei minhas atividades com o Mestre Manoel Kobachuk e Ruben Cauê de Carvalho.
Moro num país continental, com um território de 8.547.403 km,  é o 5º maior país do mundo. Temo 194 milhões de habitantes.Temos 26 estados e um Distrito Federal, onde fica nossa capital Brasilia.
Destes 26 estados, 20 tem uma produção de teatro de bonecos significativa, e em alguns casos já centenárias. Devemos levar em consideração, que o Brasil começa a existir em 1500, e seu desenvolvimento de fato somente após 1808, com a vinda da corte portuguesa para o Brasil. 1822 é que conquistamos a independência de Portugal. E somente aí, iniciou um pequeno desenvolvimento industrial em nosso país, especialmente Rio de Janeiro e São Paulo, na década de 30 e 40 é que ganhou um impulso neste setor.
Temos muitas referencia do teatro de bonecos na época dos Vice-reis, com companhias europeias que por aqui passaram, com bonecos nas questões religiosas, e o desenvolvimento do boneco popular, especialmente na região nordeste de nosso país. Na década de 60 é que começou um movimento bonequeiro, e em 27 de abril de 1973, foi fundada a Associação Brasileira de Teatro de Bonecos, no Rio de Janeiro. Eram jovens com muita vontade de realizar, de fazer a diferença e realizaram várias edições de festivais nacionais, cada ano em um estado. Não podemos esquecer que a partir de 1964 até 1982, nosso país estava sob um regime de ditadura. A abertura começa timidamente a partir desta data. Quando ingressei no movimento em 1985, os festivais, o teatro de bonecos estava em todo território. Na década de 1990, em função de problemas políticos em nosso país, e diretorias que não se comunicavam, o movimento foi se esvaziando, não a produção do teatro de bonecos, mas o movimento. Infelizmente neste período, algumas pessoas que tinham contatos internacionais e fluência nas línguas oficiais consideradas pela UNIMA, guardaram para si informações, o que causou uma ruptura, um mal estar entre os bonequeiros mais velhos, e os jovens que estavam a pleno vapor em suas idéias e produções. Houve festivais onde as curadorias, diziam para as pessoas isso pode, isso não pode, isso é teatro de bonecos, isso não é. Os grupos se afastaram do movimento e da UNIMA. 
Na década de 2000, os bonequeiros se uniram para mudar este quadro, e conseguimos realizar 4 importantes encontros nacionais, chamados ABRACE O BONECO BRASIL, onde conseguimos reunir bonequeiros de 20 estados, conseguimos iniciar o processo de tombamento do boneco popular brasileiro, período onde universidades abriram espaço para o teatro de bonecos, e reunir mas de 120 companhias onde pelo menos 1 dos participantes passou a contribuir com a UNIMA, aprovamos o reconhecimento da profissão de Ator bonequeiro, temos leis de incentivo específicas para o teatro de bonecos, 5 grandes festivais nacionais. Já temos Mestres e Doutores em Teatro de Bonecos. O Brasil tem mais de 2000 companhias de teatro de Bonecos profissionais, e muito mais bonequeiros que se possa imaginar.
E por isso peço, solicito, imploro que o Português seja também uma língua oficial da UNIMA. No último Congresso da UNIMA, nenhum relatório do Brasil.  Pois a língua foi um impedimento no processo de informação. 
Quando chegam os comunicados, temos que esperar alguém de boa vontade traduzir para aí divulgarmos e mesmo assim apesar da internet hoje ser um ótimo veículo de divulgação, temos dezenas de bonequeiros que para receberem a informação, depende de que alguém mande uma carta ou vá até sua casa para conversar. Temos 30 grupos de teatro de bonecos que fazem esta ponte, mas é pouco ainda.

Devo salientar que além do Brasil, tem Portugal, Angola, Moçambique, Guiné Bissau, Timor-Leste, Guiné-Equatorial, Cabo Verde, São Tomé e Principe, e Macau tem como língua oficial o Português.
Precisamos sempre de ajuda  no contato para as bolsas de estudo, mas nos sentimos alienígenas perante o fato de toda informação  estar em inglês, francês e espanhol.

O Brasil é o quinto país em usuários da internet, e não chega este número a metade da nossa população.

Do ano de 2000 a 2009, mantive uma escola de teatro de bonecos com 940 alunos, cada turma com 3 anos de estudos, criei o Museu do Boneco Animado e o Carnaval dos Bonecos, além de várias outras ações voltadas ao boneco em minha cidade São José dos Pinhais, região metropolitana de Curitiba. E consegui na época adquirir a Encyclopédie Mondiale des Arts de la Marionnette, era uma relíquia, todo mundo admirava, olhava as fotos, traduziam pequenos trechos. Mas a informação não era para todos. Meu projeto de vida chama-se O boneco e a sociedade. 

O MUNDO MUDOU, VAMOS MUDAR COM ELE.

Tadica Veiga
Bonequeira

3 comentários:

Susanita disse...

Prezada Tadica, acho otimo vc mandar uma carta para Unima solicitando acrescentar o portugues como idioma, porem alguns argumentos se contradicem. Eu tenho recebido grandes elogios por parte de Jacques Trudeau e de Fabrice, seu ajudante, à Secretaria da ABTB, Sassá Moretti que escreve frances fluente. Também o documento/relato da ABTB para o Congresso não aconteceu por esquecimento do presidente e não porque não se entendeu que debia presentar. A internet é hoje uma ferramenta e todos deveriam aprender a usar. Deixo aqui meu depoimento. desejo vc tenha uma boa resposta!
Susanita

Tadica Veiga disse...

Eu acredito que a Sassá esteja fazendo um bom trabalho,isso é inquestionável, continua uma via de uma mão só. Somos 285 milhões de pessoas falantes da língua portuguesa, é a 6ª mais empregada no mundo. Elogios é bom para o ego. Estou realmente cansada de argumentar com os bonequeiros que pertencemos a uma União Internacional de Marionetistas, e todos me perguntam... para que serve? O que acrescenta no trabalho árduo do dia a dia, quero que tudo que o Brasil contribuiu para este movimento seja conhecido. Quero um mundo melhor, quero dignidade para o nosso trabalho, quero que nosso país e nosso bonequeiros tenham voz. Acho que somos muito bons anfitriões com os estrangeiros, e quero respeito pela nossa identidade cultural, nossa língua.
É a minha opinião, sou só uma voz no vazio, mas é a minha voz.

Susanita disse...

JORNAL O GLOBO 03/03/2013
Caderno VERSO e PROSA, pag 4
Ponto de Vista
Sociedade- A Língua Dominante
Numa Alemanha em crise, português vira o idioma da moda em Encontro Internacional de Tradutores.
Por Nina Saroldi
" Foi neste contexto que pela primeira vez, segundo o proprio staff da casa, a língua dominante do Colégio Europeu de Tradutores foi o português....."